Gatos e Plantas: Quais são tóxicas, quais podemos ter e quais eles podem ingerir?

Atualizado: há 5 dias

Quando o assunto é “plantas e gatos”, todo gateiro se preocupa e com razão, pois algumas plantas podem ser até mesmo fatais para nossos bichanos. Ao mesmo tempo, eles adoram interagir com elas. Mas afinal, quais são as perigosas? Quais são “indefesas” e quais eles podem consumir?



A atratividade por plantas é um comportamento comum em gatos, sua natureza felina tem por hábito ocupar locais cheios de vegetação e árvores. Eles se sentem atraídos para esfregarem seus corpos e arranharem, deixando marcações odoríferas corporais, cheirarem, investigando odoriferamente aquele objeto em seus territórios, assim como ingerirem, para auxiliar na redução de bolas de pelo. No entanto, algumas plantas que são comuns para termos em casa, podem promover sérias consequências se ingeridas.


Como mecanismo de defesa ou atrativos para espécies polinizadoras, algumas plantas podem ser dotadas de substâncias que são tóxicas a alguns seres, incluindo humanos e animais. Várias dessas substâncias tóxicas podem causar envenenamentos graves em seres humanos ou em animais domésticos quando são ingeridas ou em contato com a pele. No entanto, a simples presença dessas substâncias em uma determinada espécie vegetal parece não ser suficiente para qualificá-la como tóxica. Muitos animais são adaptados à presença de determinadas toxinas e possuem mecanismos de detoxificação, podendo se alimentar de plantas que as possuem sem se envenenar, enquanto outros não. O primeiro requisito para suspeitar da possível toxicidade de uma planta é o relato de uma pessoa ou observação de animais que tenham desenvolvido um quadro clínico após a ingestão ou contato com a espécie.


Todavia, pode acontecer de outro organismo ter contato com a mesma planta e não haver sintomatologia aparente. Isso pode ser consequência de um ou mais fatores associados, tornando incerta a condição de planta tóxica admitida anteriormente. Nesse sentido, para a qualificação de uma planta como tóxica ou não, é necessário ter em mente as seguintes variáveis:


1) Diferentes partes de uma planta (raiz, caule, flores, frutos e sementes) frequentemente contém diferentes substâncias químicas ou diferentes concentrações de uma mesma substância. Ex: A mamona, cujas sementes apresentam grandes quantidades da proteína tóxica ricina, enquanto que as folhas apresentam apenas traços dessa proteína. (Schvartsman, 1979)


2) A idade da planta e o estado de amadurecimento dos frutos contribuem para a variação nas concentrações das substâncias. A escopolamina, por exemplo, é o principal alcaloide presente em espécies jovens da planta Saia Branca - Brumansia suaveolens (Wild.) Bercht. & C. Presl - enquanto que a histocianina é predominante nas plantas mais velhas (Schvartsman, 1979). Os taninos estão em geral presentes em frutos verdes e praticamente ausentes nos frutos maduros.


3) Clima, solo e estação do ano alteram a síntese de alguns compostos. Existem relatos de cultivares diferentes da mesma espécie ou variedade apresentando diferentes constituições de algumas substâncias.


4) Patologias vegetais podem induzir o vegetal a produzir substâncias que normalmente não produz.


5) Quantidade ingerida ou à maneira da ingestão (bem ou mal mastigados).


6) Indivíduos diferentes apresentam diferentes taxas de sensibilização a certos compostos vegetais.


Portanto, diversas plantas podem trazer riscos, mesmo não sendo consideradas tóxicas. Desta forma, é importante estar atento aos cuidados que cada planta exige e mesmo que sejam espécies que não estejam listadas como tóxicas, não deixá-las ao alcance dos animais.



Quais são as plantas consideradas tóxicas para os gatos?


Seguem abaixo algumas plantas consideradas tóxicas e que podem ser comuns em residências brasileiras:



Estes são alguns exemplos de plantas tóxicas, o que não ausenta o risco de demais plantas que não estão nesta listagem causarem risco aos gatos.


O site internacional https://www.aspca.org/pet-care/animal-poison-control/toxic-and-non-toxic-plants apresenta as espécies que podem ser nocíveis aos felinos. Caso você tenha dúvidas em relação a uma espécie de planta, basta digitar o nome científico no site, que ele mostrará caso a planta não seja segura.



Quais Plantas são seguras para termos em casa com gatos?


Algumas plantas podem não apresentar risco aos felinos por não possuírem compostos tóxicos, mas lembrando que o que infere a classificação à uma planta ser tóxica ou não, são diversos fatores que citamos acima, incluindo características individuais e a saúde da planta. Por isso, a listagem abaixo são indicações para termos em casas com felinos, no entanto, recomendamos que sejam mantidas fora de acesso.




Uma lista mais completa de plantas tóxicas ou não tóxicas para gatos é possível ser encontrada no link: https://www.aspca.org/pet-care/animal-poison-control/cats-plant-list

Quais plantas meu gatinho pode interagir e ingerir?


Algumas plantas podem ser benéficas para a saúde e bem-estar comportamental dos gatos, enriquecendo o sistema olfativo dos felinos. Gramíneas como as plantinhas que crescem da germinação do milho-de-pipoca, grão-de-trigo e alpiste, podem ser oferecidas para ingestão, auxiliando na expulsão de bolas de pelo que podem ficar presas no sistema digestivo dos gatos, causando incômodo e podendo causar complicações respiratórias e gastrointestinais. Outras ervas aromáticas podem ser oferecidas disponíveis no ambiente para a interação dos gatos como: erva-do-gato (catnip), hortelã, alecrim, manjericão, sálvia, erva-cidreira, entre outras. Os aromas destas ervas promovem estimulação ao olfato, podendo gerar reações ativas nos bichanos, engajando-os a brincar ou esfregar o corpo, promovendo marcações corporais. Vale ressaltar que as ervas citadas são indicadas para a interação e não para a ingestão. Embora o catnip (Nepeta cataria) seja considerado segura para os bichanos, estimulando comportamentos ativos de marcação corporal, é importante ficar atento em relação à ingestão em grandes quantidades. O componente Nepectalona existente na erva, pode ser tóxico e promover alterações gastrointestinais como vômitos e diarreia, assim como no caso da erva-cidreira. Portanto, ofereça as ervas indicadas para a interação sempre sob supervisão.


O ideal é oferecer sempre plantinhas que os felinos possam ingerir, como gramíneas, e recomendamos sempre alternar as ervas aromáticas oferecidas, para sempre gerar mais interesse e exploração.




Deixe sempre as plantinhas que seu gatinho pode interagir e/ou ingerir próximas aos locais de passagem dele, em ambiente fresco e arejado. Caso não identifique que seu gatinho esteja interagindo, alterne a localização ou estimule-o auxiliando a exploração durante momentos ativos e de brincadeiras.



Pronto, você e seu gato agora podem desfrutar da beleza que a natureza nos proporciona em sua flora. Com segurança e bem-estar.


Caso tenha dúvidas sobre a toxicidade de alguma plantinha que você tenha em casa acesse: https://www.aspca.org/


Por:


Dra. Juliana Damasceno (Bióloga, Mestre e Doutora em Psicobiologia)

Estela Pazos (Médica Veterinária de Felinos)

Dr. José Ricardo Barosella (Entomólogo, Técnico do Laboratório de Sistemática de Plantas, USP)

MSc. Laura Fernandes Afonso (Botânica do Laboratório de Sistemática de Plantas, USP)

MSc. Sandra Jules Gomes da Silva (Botânica)




REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS


ALTÉS, A.C. (2014) CYCLAMEN SP. PLANTES ORNAMENTALS TÒXIQUES, p. 52.

Barroso, G. M.; Peixoto, A. L.; Ichaso; C. L. F.; Guimarães, E. F. & Costa, C. G. 2002. Sistemática de Angiospermas do Brasil. Vol. 1. 2ª ed. Editora da Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, 443p.


COSTA, A.F. (1978). Farmacognosia, 2ª. Ed., V. II. Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa.

EVANS, F.J. & EDWARDS, M.C. (1987). Activity correlations in the phorbol ester series. In Jury, S.L.; Reynolds,T.; Cutler,D.F.; Evans, FJ. (eds.) (1987). The Euphorbiales chemistry, taxonomy & economy botany. Linnean Society, Academic Press, London.


FIASCHI, P., & PIRANI, J. R. (2005). Flora da Serra do Cipó, Minas Gerais: Araliaceae. Boletim de Botânica da Universidade de São Paulo, 267-275.


MESSONNIER, Shawn P.; GFELLER, Roger W. Manual de toxicologia e envenenamentos em pequenos animais. Editora Roca, 2006.


HARBONE, J.B. & BAXTER, H. (1995). Phytochemical dictionary: a handbook of bioactive compounds from plants. Taylor & Francis, London.

JOLY, A.B. (1987). Botânica: introdução à taxonomia vegetal, 5ª Ed. Editora Nacional, São Paulo.

Judd, W. S., Campbell, C. S., Kellogg, E. A., Stevens, P. F., & Donoghue, M. J. (2009). Sistemática Vegetal-: Um Enfoque Filogenético. Artmed Editora.


MASSMANIAN, A. (1995). Severe contact dermatites due natural látex. Contact dermatites 32:364.


MORT, M. E., SOLTIS, D. E., SOLTIS, P. S., FRANCISCO-ORTEGA, J., & SANTOS-GUERRA, A. (2001). Phylogenetic relationships and evolution of Crassulaceae inferred from matK sequence data. American Journal of Botany, 88(1), 76-91.


DE OLIVEIRA, R. B., DE GODOY, S. A. P., & DA COSTA, F. B. (2003). Plantas tóxicas: conhecimento e prevenção de acidentes. Holos, Editora.


DE OLIVEIRA, R. R., & PASIN, L. A. A. P. (2017). Ocorrência de oxalato de cálcio em plantas não relatadas como tóxicas. Revista Científica da FEPI-Revista Científic@ Universitas.

PISTELLI, L.; CHIELLINI, E.E. & MORELLI, I. (2000). Flavonois from Ficus pumila. Biochemical Systematics and Ecology 28: 287-289.


POSER, G.L., & MENTZ, L.A. (2001). Diversidade biológica e sistemas de classificação. In: Simões, C.M.O.; Schenkel, E.P.; Gosmann, G.; Mello, J.C.P.; Mentz, L.A.; Petrovick, P.R. (eds). Farmocognosia: da planta ao medicamento. 3ª. Ed. Editora Universidade/ UFRGS, Porto Alegre.


RAUBER, M.D. (1985). Observations on the idioblasto f Dieffenbachia. Clinical Toxicology 23 (2-3): 79-90.

Raven, J. A., & Smith, F. A. (1976). The evolution of chemiosmotic energy coupling. Journal of theoretical biology. 57(2), 301-312.

RIBOLDI, E.O. Intoxicação em pequenos animais: uma revisão. Porto Alegre: UFRGS, 2010.


SANTOS, R.I. (2001). Metabolismo básico e origem dos metabólitos secundários. In: Simões,C.M.O.; Schenkel, E.P.; Gosmann, G.; Mello, J.C.P.; Mentz, L.A., Petrovick, P.R. (eds). Farmacognosia: da planta ao medicamento. 3ª. Ed. Editora Universidade/ UGRGS, Porto Alegre.

SCHVRTSMAN, S. (1979). Plantas venenosas. Sarvier, São Paulo.


SILVA, L. C. Plantas ornamentais tóxicas presentes no shopping Riverside Walk em Teresina – PI. Revista Brasileira de Arborização Urbana, Piracicaba, v.4, n.3, p.69-85, 2009.


SMALL, J. K., & RYDBERG, P. A. (1905). Hydrangeaceae. North American Flora, 22, 159-178.


SOUZA, V. C., & LORENZI, H. (2008). Botânica Sistemática: guia ilustrado para identificação das famílias de fanerógamas nativas e exóticas no Brasil. Baseado em APG II. 2nd ed. Instituto Plantarum, Nova Odessa.


VICKERY, M.L.; VICKERY, B. (1981). Secondary Plant Metabolsim. The Macmillan Press Ltd., Hong Kong.

682 visualizações

​​​WellFelis ​© 2016 | Comportamento Felino

  • White Facebook Icon
  • White Instagram Icon
  • White YouTube Icon

(11) 94545-3526

contato@wellfelis.com.br

  • Black Facebook Icon
  • Black Instagram Icon
  • Black YouTube Icon